Padres de João Pessoa pagavam para fazer sexo com flanelinhas e coroinhas dentro de igrejas


O programa Fantástico, da Rede Globo, trouxe na edição deste domingo (21), a informação de que o ex-Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, os padres Rui Braga, Jaelson e Severino Melo e o monsenhor Ednaldo seriam os sacerdotes investigados nos casos de exploração sexual que tramitam no Ministério Público do Trabalho da Paraíba (MPT-PB). A Arquidiocese da Paraíba foi condenada a pagar indenização de R$ 12 milhões, uma decisão inédita no Brasil.

O procurador Eduardo Varandas falou ao Fantástico que no processo consta que os sacerdotes pagavam lanches e em dinheiro para fazer sexo com coroinhas e com flanelinhas que ficavam em frente ao prédio da Arquidiocese da Paraíba.

Um dos entrevistados, um ex-seminarista, disse na reportagem que Dom Aldo lhe fez uma proposta: “Por que você não aproveita que estamos aqui só nós dois e fazemos aquilo que é melhor para os dois?”

Toda a denúncia foi motivada pela carta de uma frequentadora da Igreja Católica na Paraíba, em que ela relatava o que ouviu sobre o envolvimento dos padres com os jovens. Ela contou que muitos eram apelidados, por exemplo, de ‘Louca da Diocese’, ‘Monja Vanessa’.

Os religiosos negaram as acusações quando indagados pela Justiça. A Arquidiocese do estado enviou nota ao Fantástico dizendo que não comenta os aspectos do processo judicial. Dom Aldo disse que não participaria da reportagem e respondeu que os padres acusados de pedofilia foram inocentados em 2017.

Fonte: PB Hoje