Zé Fernandes repudia venda de empresas estatais e clama para os parlamentares votarem contra medida provisória 868


O vereador da cidade de Uiraúna, Sertão da Paraíba, José Fernandes Moreira (Zé Fernandes) tornou público sua sincera opinião, na qualidade de  representante do povo uiraunense na Câmara de Vereadores, Olinto Pinheiro, sobre o projeto de privatizações do atual governo Bolsonaro, em relação a empresas estatais de tratamento de água do país, por exemplo a CAGEPA. 

O vereador ressalta os "bons serviços" prestados  para a população no tratamento e distribuição de água e que privatizar não é o caminho para o melhoramento da economia, e ainda pede para os Deputados Federais e Senadores, votarem contra a medida provisória 868.

Deve-se lembrar que o Brasil está passando por crises econômicas, políticas e sociais causadas principalmente pela má gestão dos recursos e pela corrupção, tendo vários casos desmascarados pelos órgãos de investigação e inteligência do Ministério Público e da Polícia Federal durante os governos Lula, já condenado e preso por corrupção e lavagem de dinheiro, Dilma e Temer.  

As privatizações foi umas das principais bandeiras  defendidas por Jair Bolsonaro antes, durante e depois na campanha de 2018, obtendo exito na corrida eleitoral com o apoio de empresários, políticos e do povo brasileiro.

LEIA A OPINIÃO

O vereador, Zé Fernandes, Uiraúna-PB, vem de público repudiar esse governo, Bolsonaro, que além de querer acabar com a educação pública, está também querendo aprovar uma medida provisória a chamada 868, o que é isso ? Vender todas empresas públicas de água, como a CAGEPA na Paraíba  e tantas outras empresas de água. A população sabe o bom serviço que prestam essas empresas na distribuição de água tratada, como se sabe água é vida e agora entregar ao mercado privado, que não tem nenhum compromisso com a sociedade. Portanto, na qualidade de representante do povo na Câmara Municipal de Uiraúna-PB, venho pedir a todos Deputados Federais e Senadores, que votem contra a essa maldade. O Brasil precisa de crescimento econômico gerando emprego e renda, mas não dessa forma.

DA REDAÇÃO - PANORAMA SERTÃO